PUBLICADO EM 19/04/2018

Perdidos no Espaço – Season 1

 

Perdidos no Espaço – Season 1

Perdidos no Espaço foi uma série televisiva criada por Irwin Allen, que foi ao ar entre 1965 até 1968 na tv norte americana, contando a história da família Robinson, que acaba perdida no espaço, graças ao Dr. Zachary Smith que sabota a nave Júpiter 2. Apesar de ter apenas três temporadas, a série fez enorme sucesso, sendo cancelada apenas pelo estúdio CBS estar com dívidas e querer cortar gastos. 

Elenco da série original de 1965

Em 1998 um longa metragem é lançado, com grandes nomes no elenco, como Gary Oldman, William Hurt, Matt LeBlanc e Heather Graham. Apesar dos esforços, e filme é apenas mediano, não conseguindo revitalizar a franquia, como fez por exemplo J.J. Abrams em Star Trek (2009).

Finalmente chegamos á 2018 com a nova versão da série produzido pela Netflix. A escolha de voltar ao formato seriado foi um grande acerto, pois permite muito mais tempo para trabalhar a interação da família Robinson, que é o ponto principal da narrativa. Não que a aventura, ação, ficção científica seja jogada de lado em detrimento do drama familiar, longe disso, mas se o elemento familiar não funcionasse, teríamos apenas uma casca vazia, cheia de efeitos especiais e explosões, que poderia até ser divertido no começo mas dificilmente iria segurar o interesse da audiência ao longo dos dez episódios desta primeira temporada.

Família Robinson reunida com o piloto Don West

Um dos elementos que fazem a família funcionar é o casting muito bem feito: Toby Stephens faz o pai John Robinson, um militar linha dura, que após um longo período ausente tenta recuperar seu lugar na família, Molly Parker é a mãe Maureen Robinson, inteligente e destemida, faz tudo para proteger sua família, Maxwell Jenkins é o caçula Will  Robinson, cheio de incertezas o pequeno prodígio quer provar seu valor para o grupo, Mina Sundwall é filha do meio Penny Robinson, sempre com uma piada pronta e com o instinto adolescente de quebrar qualquer regra, e Taylor Russell é a filha mais velha Penny Robinson, diferente do original ela não é filha biológica do casal (isso em nenhum momento é relevante nessa primeira temporada, mas mostra uma  tentativa de deixar ela mais atual e relevante para os  dias de hoje), médica que sempre tenta ajudar ao próximo e fazer o certo a qualquer custo. Outros dois personagens importantíssimos são Don West (Ignacio Serricchio) e Dra. Smith (Parker Posey). O primeiro é o piloto/mecânico descolado, cheio de graça, que adora se fazer de malandro mas no fundo tem bom coração (esteriótipo de Han Solo Alert), e a segunda é a vilã mentirosa e dissimulada, capaz qualquer coisa para sobreviver.

A série respeita bastante o material original mas se moderniza para os tempos atuais. Cada episódio equilibra bem a ação e a relação familiar, que diferente da primeira impressão, de que eles são perfeitos e poderiam estrelar o comercial de margarina mais próximo, eles são cheios de problemas internos para resolver. E claro se perder num planeta desconhecido cheio de perigos torna tudo mais complicado (e interessante). As peripécias de sobrevivências são diversas vezes entrecortadas com flashbacks de anos anteriores, que explicam os motivos deles terem deixado a Terra e também aprofundam as relação entre os personagens.

Dra. Smith e Will Robinson

Claro que o robô B9 (que aqui não tem nome ainda) está presente com seu bordão “Perigo, Will Robinson”, inclusive ele é parte muito importante da trama, não sendo apenas um dispositivo para ajudar nossos protagonistas. Os efeitos especiais são bem competentes, inclusive sabendo a hora de economizar e não utilizá-los.

A série está longe de ser revolucionária, por  vezes caindo em clichês do gênero, mas cumpre muito bem seu papel em revitalizar o material original dos anos 60, deixando espaço para um nova geração se deliciar com as aventuras da família Robinson.

Nós estamos no Facebook e você também pode nos achar no Instagram, curta as páginas e fique por dentro do UNIVERSO REVERSO.

 

  4.5

 

SOBRE O AUTOR

vinicius Lunas

Um rapaz simples de gosto requintado (ou não). Curto de tudo um pouco (cinema, tv, games, hq, música), bom em particularmente nada. Formado recentemente em Letras pela Universidade de São Paulo, mas desde os 14 anos formando um bom gosto musical.

 

 


RELACIONADOS